Yonathan Dominitz, criador da MindScapes, explica como aumentar o seu potencial criativo. E ainda pode ouvi-lo em Portugal a 20 de maio.

Criou a MindScapes que dá “ferramentas de pensamento criativas” aos… criativos.

Realizou projetos para empresas como a Pepsico, Vodafone, Nestlé, Carlsberg e agências de publicidade como Leo Burnett, BBDO, McCann ou a Ogilvy & Mather. Ao longo dos anos, Yonathan Dominitz  ajudou várias agências criativas a quebrar barreiras e, com isso a ganhar 20 leões e três Grand Prix no Cannes Lions, festival considerado a meca da criatividade mundial.

Recentemente, o fundador de Mindscapes foi convidado pela Google para treinar, a nível mundial, as suas equipas de marketing em “creative insights & creative thinking tools”.

Yonathan Dominitz vai estar em Portugal a 20 de maio, para participar na Direct & Digital Marketing Conference, organizada pela Mediapost, com o tema: The logic behind the magic – how to overcome the fear of creativity.

Comece a trabalhar na sua criatividade. Ficam aqui 5 dicas:

1. Seja curioso

Não leve as coisas por garantido. Elas não o são. Pergunte-se por que e como é que as coisas são da forma que são? Procure novas e surpreendentes relações de causa e efeito. Olhe para as coisas e situações conhecidas como se tivesse a vê-las pela primeira vez. Desafie-se constantemente e desenvolva sensibilidade, curiosidade e recetividade para o mundo dentro de si e á sua volta.

2. Mude a sua perspetiva

Pergunte a si mesmo como é que uma pessoa diferente olha ou pensa no problema, ou para o desafio ou para a situação que está a lidar? Como é que uma criança olha para ele? Uma pessoa do sexo oposto? Uma pessoa de uma cultura diferente, profissão ou localidade?

Albert Szent-Gyorgyi, o bioquímico que recebeu o Prêmio Nobel, disse uma vez:

A descoberta consiste em olhar para as mesmas coisas que todos e pensar diferente.

Muitas vezes a descoberta da criatividade vem quando mudamos a nossa própria perspetiva.

3. Desafie os seus pressupostos existentes

As nossas próprias suposições podem tornar-se um grande obstáculo para a mudança e criatividade. Temos hipóteses tais como: para quem, como, quando, onde, porque é que as pessoas pensam, dizem ou fazem o que fazem. Estas premissas podem ser verdadeiras, mas podem não ser a única verdade que existe. O problema é que nós não “vemos” as nossas próprias suposições. Elas são transparentes, por assim dizer.
Tente digitalizar e revelar suas próprias suposições, o que ‘deve’ ou não deve estar no sistema? O que é necessário, e o que pode ser redundante? Ganhe o hábito de revelar os pressupostos existentes e brinque com eles, substituindo-os por diferentes premissas, às vezes até mesmo opostas: transformar o bem no mal, o mal no bem, etc.

4. Descontraia

As novas ideias vêm com mais facilidade quando a mente está descontraída. Quando descontraímos, permitimos que a parte esquerda e a direita do cérebro encontrem o equilíbrio natural, sem dominar a outra. Descontrair permite que o cérebro funcione em frequências que conduzem mais à imaginação, à livre associação e à criatividade. Encontre formas de relaxar o corpo e a mente. Inclua mais períodos de tempo limite, jogos, caminhadas pela natureza, meditação e contemplação na sua vida diária.

5. Não tenha medo de falhar

Não tenha medo de fazer coisas “estúpidas”, e cometer erros. As pessoas mais criativas são lembradas pelo seu sucesso; mas se lhes perguntar, eles vão referir as muitas vezes que falharam antes (e depois) de conseguirem.
Criatividade significa estar aberto à possibilidade de fracassar. Cada vez que criamos algo verdadeiramente original e novo, o medo pode surgir. A razão pela qual o medo se coloca é que qualquer ideia criativa nova nunca foi feita antes, então não temos a certeza de que ela irá resultar. A criatividade requer a capacidade de assumir riscos e de ser tolerante com a ambiguidade e a falta de certeza. Portanto, se deseja criar e mudar as coisas, deve aprender a adquirir este espírito.

Artigo publicado no site Dinheiro Vivo no dia 29/04/2013